Carta: quatro meses de namoro

Mais uma correspondência do noivo. Aqui ele relembra quando a noiva perguntou-lhe “o que seria mais que o amor”, ao falar da dificuldade de transformar em palavras a imensidão de sentimentos que rompe em nossos peitos. Termina chamando a noiva de “presente de Nossa Senhora”…

Brasília, 30 de Maio de 2009.

Minha doce Lucília,

Várias vezes já parei para escrever-lhe algumas linhas como agora. Em todas elas faltaram-me palavras para expressar o tamanho e a intensidade dos sentimentos que você desperta em mim. Quando termino e releio o que redigi, vejo que não consegui expressar sequer um décimo de tudo aquilo que desejava.

Acredito que você entenda o que quero dizer. Lembro-me de uma vez quando indagou-me o que seria mais que o amor. E eu, já tendo entendido o motivo da pergunta, respondi que não sabia dizer, mas era exatamente o que existia entre nós. Para ti já não mais bastava dizer simplesmente eu te amo.

O turbilhão de sentimentos que nos toma conta faz a palavra amor parecer pequena. Mas na verdade as palavras dificilmente conseguem gerar nas pessoas as mesmas reações que os sentimentos a elas correspondentes provocam: elas são uma representação apagada dos sentimentos que nutrimos um pelo outro.

E existe algo até maior: uma infinidade de gestos que expressam uma tal ternura e união de alma entre nós, que ultrapassam a maior de todas as declarações de amor. É uma sensação indescritível que nunca poderemos expressar em palavras: sua cabeça encostada no meu ombro durante a ação de graças, os abraços apertados que trocamos a cada reencontro, ou os olhares que se cruzam indefinidamente fazendo desaparecer tudo o que está à volta.

Mas há mais. Há a sua delicadeza sedosa, há a sua doçura afável, sua meiguice ingênua, seu sorriso espontâneo, sua boa vontade desprendida de orgulhos e vaidades, buscando agradar-me da maneira mais desinteressada possível, até mesmo nos gestos mais simples e cotidianos, tendo o único desejo de fazer-me um pouco mais feliz. Várias vezes fiquei comovido com tanta amabilidade.

Há momentos em que me ponho a pensar em nós. Parece um sonho, uma idealização de tudo o que sempre desejei. Preciso de um certo esforço para acreditar na própria realidade, tal a maravilha que é para mim. Pergunto-me se mereço tanta felicidade. Acredito que não. Mas a quero mesmo sem merecer. E tudo farei para merecê-la… tudo.

Obrigado, minha lindinha, por fazer-me tão feliz. Por superar todas as expectativas que eu poderia ter em relação à mulher da minha vida. Você é meu presente de Nossa Senhora. O melhor de todos os presentes que já recebi. Você é para mim muito mais que uma namorada. Eu a amo e respeito como se já fosse minha esposa.

Meu maior desejo é que nos entreguemos um para o outro, diante de Deus e Nossa Senhora, para toda a nossa vida – seremos a família um do outro, construiremos juntos nosso ninho de amor, cuidaremos um do outro e dos filhos que Deus nos confiar.

Eu te amo, Lucília, e peço todos os dias a Nossa Senhora para a amar cada vez mais, sempre de forma sincera e desinteressada,

do seu muito amado,
que dentro em breve você poderá chamar de noivo,

Mauro.

Deixe um comentário!

About these ads

The URI to TrackBack this entry is: http://luciliaemauro.wordpress.com/2010/06/17/carta-quatro-meses-de-namoro/trackback/

Feed RSS para comentários sobre este post.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  1. adorei

  2. Noooossa muitooo Lindooo *-*

  3. show de bola

  4. Nossa muiito liindo mesmo adooreiii *_*


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: